Da UTI pra balada: enfermeiros são flagrados em festa clandestina e gritam ‘covid-19’ para câmeras

Caso foi registrado na polícia porque cidade de MS tem decreto contra aglomeração durante pandemia de coronavírus

Cb image default
Imagens circulam em redes sociais. 

Uma festa clandestina neste fim de semana em Nova Andradina, teve servidores do Hospital Regional flagrados gritando ‘covid-19’ e será investigada pela polícia.

Nas imagens que circulam nas redes sociais é possível ver várias pessoas participando de uma festa ‘clandestina’ regada a muito álcool e som alto. Os participantes ainda gritavam durante a filmagem ‘covid-19’ e pediam para que fizessem doações usando o QR code, em uma ‘brincadeira’ lembrando as lives de artistas feitas durante a quarentena.

Várias fotos da festa e os vídeos circularam em diversos grupos, o que gerou grande revolta na população. Segundo a denúncia, os participantes da festa seriam na maioria enfermeiros da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Regional.

Também estaria no vídeo um diretor de escola. As imagens e fotos chegaram até a polícia que agora investiga o caso.

Servidores da saúde na festa clandestina

A reportagem entrou em contato com o Hospital Regional de Nova Andradina e o diretor da unidade, Norberto Fabre, afirmou que assim que for notificado pelas autoridades policiais um procedimento administrativo será aberto, e que todos os envolvidos na festa clandestina já teriam sido identificados.

Ainda de acordo com Norberto, “já demos todas as orientações aos profissionais, mas não temos controle sobre o que fazem fora do trabalho”.

Nova Andradina já teve 41 casos confirmados de coronavírus e uma morte, que aconteceu na última sexta-feira (26). Em junho em Mato Grosso do Sul já foram registrados 55 óbitos oficiais, contra 11 em maio, 8 em abril e apenas um no mês de março.

Além disso, a macrorregião com maior número de casos segue sendo Dourados, sede representativa de 33 municípios daquela região, com 45 registros. Já na macrorregião de Campo Grande, são 12 óbitos, seguida por Três Lagoas (9) e Corumbá (9).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.