Publicado em 05/02/2019 às 17:13, Atualizado em 05/02/2019 às 20:17

Alcolumbre veta Renan e mais quatro para Mesa Diretora do Senado

Decisão foi comunicada ao MDB pela senadora Simone Tebet em clima de "é tudo ou nada"

Silvio Angelo, da Redação, Agência Senado
Cb image default

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), em reunião nesta segunda-feira (4), comunicou aos seus companheiros de partido que o novo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), barrou cinco nomes do partido para os cargos na Mesa Diretora: Jader Barbalho (PA), Fernando Bezerra (PE), José Maranhão (PB), Eduardo Braga (AM) e Renan Calheiros (AL). A escolha ocorre nesta quarta-feira (6).

Com Renan, Alcolumbre protagonizou momentos polêmicos, na última sexta (1º) e no sábado (2), durante sessão para escolher o comandante da Casa durante os próximos dois anos. Após muita confusão, bate-boca e ação judicial sobre se a votação deveria ser fechada ou aberta, o cacique emedebista desistiu da candidatura e o democrata foi eleito.

"Isso é inaceitável", criticou Eduardo Braga, enquanto Tebet agiu dando a entender que "é isso ou nada". Para ela, caso não concorde com a proposta, o partido pode ser desidratado, já que muitos membros podem deixar a sigla, inclusive ela. Além dos cinco vetados, o MDB tem mais oito senadores

Em contrapartida, uma ala da legenda defende que seja montado um bloco com o PT, compensando eventuais governistas que se desfiliem. O PT tem seis senadores. Ou seja, pelo critério da proporcionalidade, esse bloco pode ser o maior da Casa. Teria o direito a fazer a primeira escolha para a Mesa e para o comando das comissões.

Mas Davi Alcolumbre e Simone Tebet ameaçam formar, então, um grande bloco reunindo o equivalente à maioria absoluta dos senadores para "bater chapa". MDB e PT poderiam ser, assim, totalmente excluídos da distribuição de cargos.