Estados Unidos têm 100 mil casos confirmados de coronavírus

É o maior total registrado no mundo, diz pesquisa da agência Reuters

Cb image default

Os casos confirmados de coronavírus nos Estados Unidos chegam a 100.040, o maior número registrado no mundo, segundo contagem da agência de notícias Reuters.

A Itália vem na sequência, com 86.498 casos, e a China ocupa a terceira posição, com 81.340 infecções confirmadas.

A quarentena pode estar surtindo efeito e deve ser feita pelos próximos dias, diz especialista. A confirmação do primeiro caso do novo coronavírus (SARS-CoV-2) no Brasil completou um mês nesta quinta-feira (26).

Desde então, o país contabiliza milhares de casos confirmados e várias mortes, segundo balanço divulgado todos os dias pelo Ministério da Saúde.

O ministro Luiz Henrique Mandetta avalia que o aumento dos casos está ocorrendo de forma “aproximadamente igual nos últimos dias”.

Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico sanitarista Gonzalo Vecina, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP e fundador da Anvisa (Agência Nacional de Saúde), disse que o fenômeno dos casos terem aumentado de forma igual nos últimos dias pode já ser um efeito da quarentena imposta aos brasileiros.

“Aparentemente algum efeito [da quarentena] parece que nós tivemos e a epidemia parece não estar progredindo com tanta força quanto nós havíamos estimado, mas em hipótese alguma nós temos condição de nesse momento abaixar a guarda”, disse.

Segundo Vecina, a quarentena deve permanecer pelos próximos 14 dias.

“A gente tem que aguardar as próximas duas semanas, de preferência com um aprofundamento da quarentena, só vai trabalhar quem precisa porque é de um setor crítico. Temos que manter a sociedade minimamente funcionando, mas diminuindo a possibilidade de contato entre as pessoas por pelo menos 14 dias”, explicou.

Somente após o período de duas semanas, de acordo com Gonzalo Vecina que poderemos analisar e talvez isolar somente os grupos de risco.

“Poderíamos voltar a analisar, se a epidemia chegar no pico e começar a cair o número de casos novos, talvez esteja na hora da gente pensar em uma proposta do tipo da quarentena vertical, em que se isola somente os grupos de risco”, defendeu.

A chamada “quarentena vertical” foi defendida pelo presidente Jair Bolsonaro durante um pronunciamento nesta terça-feira (24). A declaração de Bolsonaro, neste estágio da pandemia da COVID-19, segundo Gonzalo Vecina, é “desastrosa”.

“O que o presidente falou em rede nacional foi desastroso, irresponsável e ele tem que ser cobrado pelos mortos que nós vamos ter em função da fala dele”, afirmou.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.