Brasil precisa aprovar ajustes para lidar com efeito Trump, diz Meirelles

O tsunami mundial provocado pela vitória de Donald Trump nos EUA desaguará no Brasil, reconheceu Meirelles em entrevista coletiva, após almoço com investidores em Nova York. |É a maior economia do mundo. Influencia, sim.|
Ele disse, no entanto, que o país estará |com economia suficientemente forte para enfrentar com sucesso as flutuações normais dos ciclos econômicos do mercado internacional|.
O otimismo contrasta com a expectativa sobre o impacto da Casa Branca de Trump na economia brasileira.
A eleição do republicano provocou uma onda de valorização do dólar, e, com Trump, economistas preveem corte menor dos juros no Brasil -o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tentou acalmar o mercado e negou, na quarta, que a política monetária mudará para se adaptar ao furacão Trump.
Antes mesmo do resultado, a equipe econômica havia baixado a expectativa de um avanço de 1,6% do PIB em 2017 -agora, esperam 1%. A conta não contempla o |efeito Trump| que pode afetar o país.
ÂNCORA DE OTIMISMO
O ministro veio a Nova York com uma missão difícil: vender o Brasil como terra fértil para investidores, num momento em que o mercado está em pânico com os efeitos da eleição de Trump na economia global.
Quando foi aberta rodada de perguntas para o público, o economista-chefe do banco, Dalton Gardiman, que mediava a conversa, lembrou que a fonte da incerteza morava a quatro blocos do hotel que sediou o evento: a Trump Tower de Manhattan, onde o empresário mantém QG político e mora com a mulher e o filho caçula.
Meirelles brincou que sentiu as consequências ao enfrentar o trânsito local -trechos próximos ao prédio estão fechados a carros e cercados com grades, uma defesa contra protestos anti-Trump.
Sua apresentação, intitulada |Brasil: On the Road to Recovery| (Brasil: no caminho para a recuperação), tentou ser uma âncora de otimismo.
Meirelles destacou a aprovação do teto de gastos públicos e a previsão de implantar a reforma da Previdência, duas manobras que disse serem essenciais para equilibrar as receitas nacionais.
Ele projetou que investimentos na infraestrutura nacional chegarão a US$ 270 bilhões entre 2016 e 2019, puxados pelo setor de gás e petróleo (US$ 90 bilhões). Afirmou ainda que o governo está comprometido em reduzir o papel do Estado na economia e cultivar um ambiente mais amigável a corporações estrangeiras.
Enquanto os convidados degustavam bacalhau com aspargos, Meirelles digeria dúvidas da plateia sobre a agilidade do Brasil em garantir que projetos (como reformas e os de infraestrutura) sejam tocados rapidamente.
O ministro foi questionado se o governo daria proteção contra flutuações cambiais a investidores -cobrança do mercado para encarar a volatilidade do mercado brasileiro.
Meirelles respondeu que |isso está fora de cogitação|. Depois, disse à imprensa acreditar em |instrumentos do mercado| para dar segurança a estrangeiros que investem no Brasil.
Meirelles chegou na terça (15) e ficará até sexta (18) na cidade. Nesta quarta, foi a estrela do |CEO Forum - The Leaderships View|, organizado pelo Bradesco. Na plateia, brasileiros como Joesley Batista (JBS), Murilo Ferreira (presidente da Vale) e Paulo Kakinoff (Gol Linhas Aéreas).

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.