Dona de casa encontra corpo estranho dentro de embalagem de molho de tomate em Dourados

Corpo estranho foi encontrado dentro de extrato de tomate - Foto: Eliel Oliveira/Diário MS
Uma dona de casa moradora em Dourados encontrou ontem um resíduo grande e mal cheiroso dentro de embalagem de molho de tomate da marca Predilecta. Conforme o Procon (departamento de Proteção e defesa do Consumidor), casos de consumidores que encontram corpos estranhos em produtos alimentícios somam uma média de seis por ano. O número baixo, no entanto, pode não refletir a realidade, já que muitos consumidores ainda preferem não buscar seus direitos.|Eu fiz a comida como sempre faço todos os dias. Quando fui temperar o macarrão, despejei a massa de tomate, só que tinha alguma coisa travando. Achei que era um pedaço grande de tomate e apertei, mas quando saiu, era aquela coisa grande, gosmenta, e cheirando a podre|, contou a dona de casa Iarailda da Silva Ribeiro, 57.A dona de casa disse ainda que comprou o produto onde sempre faz suas compras de mês. |A gente confia sempre na empresa que fabrica, temos sempre o pensamento de que eles tomam todo o cuidado para oferecer um produto de qualidade na prateleira. A massa de tomate está até no prazo de validade, uma coisa que eu sempre olho. É um absurdo que coisas como essa passem|, reclama Iarailda.A estudante Elia Ribeiro, 30, filha de dona Iarailda, conta que assim que viu a cena já sabia que deveria buscar seus direitos. |A minha mãe estava cozinhando para os meus filhos, imagina se ela não fosse cuidadosa e distraidamente servisse aquilo para eles e ela mesma. Podia dar um problema de saúde, Deus me livre. Vamos sim buscar nossos direitos porque isso não pode acontecer|, diz.O diretor do Procon em Dourados, Rozemar de Mattos, conta que a maioria dos consumidores não faz como dona Iarailda. |As pessoas têm um pensamento de que não vai dar em nada, e de que não vale a pena quando na verdade, providências para evitar que situações como essa aconteçam dependem somente da queixa delas|, informa.Ainda de acordo com o diretor, o procedimento em casos como o de dona Iarailda é simples. |O consumidor vai registrar a queixa no Procon que vai até o local onde aquele produto foi comprado e analisar a qualidade do lote ao qual o produto pertence. Se for constatada alguma irregularidade nas demais embalagens, o produto vai ser recolhido e a fabricante multada|, explica Mattos, acrescentando ainda que o argumento das empresas sobre fabricação em grande escala, não procede. |Não é porque fabricam no em grandes lotes que as empresas possuem o direito de não oferecer produtos com 100% de qualidade, até porque elas lucram com isso|.Fotos: Eliel Oliveira/Diário MS

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.